Opinião: Brasil parado, caminhões sem rodar, povo sem reclamar

De 2016 até os dias de hoje, os combustíveis, talvez tenham sido o produto que mais subiu de preço no país e pouca gente tem reclamado desse “assalto” no bolso. A Petrobras que antes era a empresa mais valiosa do Brasil, depois da roubalheira, caiu e não mais figurou no topo da lista, pelo menos não nos últimos 2 anos. Mais com o preço altíssimo que estamos pagando nesse período na gasolina e no diesel, por exemplo, a estatal voltou a ser a empresa mais rica desse país, é muita coincidência não acha?

Eu como cidadão, pagador dos meus altos impostos tenho total direito de reclamar. No interior do estado de Pernambuco o preço do litro de gasolina, já beira os R$ 05,00 (Cinco reais), sendo mais da metade desse valor em impostos, que não voltam em sua grande maioria. O que deveria acontecer em investimentos e serviços públicos.

Nunca fui a favor de protestos que prejudiquem o serviço de outrem, mais especialmente o que está acontecendo em vários estados, cidades e pontos de rodovias desde a última segunda feira (21), com caminhões bloqueando estradas reivindicando, não somente um preço mais justo para seu frete, mais também e sobretudo um Brasil melhor, em todos os sentidos, pois quem pensa que por não ter um veículo o preço dos combustíveis não o afeta, está redondamente encanado. Pois tudo isso, é uma cadeia do sistema precário público desse país e quanto mais alto o valor do litro de diesel, mais você vai gastar com a fralda pro seu filho ou a alimentação pra sua família, por isso apoio a greve geral dos caminhoneiros.

Não podemos deixar que um governo, que deveria nos representar, fazer o que bem entende. Eles estão lá e sempre estiveram por nós, então façamos valer os nossos direitos, se não podemos falar pessoalmente com os políticos, protestemos então, pois com o grito cada vez mais alto, talvez eles nos escutem e quem sabe todos juntos por um país melhor, não mudemos o nosso futuro.

 

Erbimael Andrade Gomes de Almeida

Jornalista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *