Exames e estudos são realizados pelas prefeituras das duas cidades para entender os possíveis motivos das lesões cutâneas. Sete pessoas da mesma casa tiveram os sintomas no bairro da Guabiraba, na Zona Norte do Recife Cortesia O total de notificações de pessoas com “lesões cutâneas a esclarecer” subiu de 88 para 105 no Recife e de 60 para 62 em Camaragibe, na Região Metropolitana, nesta segunda-feira (22). As duas prefeituras estão realizando investigação para identificar as possíveis causas do problema. Os relatos dos pacientes são semelhantes nas duas cidades: muita coceira e “caroços” vermelhos na pele. A orientação é para que as pessoas que apresentem sintomas procurem uma unidade de saúde. Moradores do Recife relatam coceira que não deixa dormir Os primeiros casos identificados na capital foram de cinco crianças no Córrego da Fortuna e no Sítio dos Macacos, na Zona Norte da cidade. As notificações são de pessoas que reportaram sintomas desde 1º de outubro. Em nota, a Secretaria de Saúde do Recife explicou que o aumento de notificações era esperado devido ao alerta epidemiológico que foi emitido no dia 17 para que as unidades de saúde das redes pública e privada notifiquem, imediatamente, o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) ao atender um caso suspeito. Prefeituras investigam manchas na pele que causam coceiras Na sexta-feira (19), representantes da Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde do Recife, da Secretaria Estadual de Saúde e do Instituto Aggeu Magalhães, unidade da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Pernambuco, além de um médico infectologista e de um médico epidemiologista, estiveram reunidos para discutir os casos (veja vídeo acima). Na ocasião, a secretária-executiva de Vigilância em Saúde, Marcella Abath, explicou que a prefeitura está realizando investigações clínicas, epidemiológicas e laboratoriais. Foram realizados exames de sangue (hemogramas), coleta de amostras de pele e testes de sorologia para detectar arboviroses, como dengue, zika e chikungunya, doenças provocadas pelo mosquito Aedes aegypti. Além disso, foram capturados mosquitos e ácaros para análise e devem ser feitos exames de raspagem de pele em alguns pacientes notificados. O município também não descartou ainda a possibilidade de o caso ter relação com sarna humana. Lesões na pele aparecem acompanhadas de coceira, segundo pessoas que tiveram sintomas no Recife Arquivo pessoal A Secretaria de Saúde do Recife explicou que ainda aguarda resultado dos exames para apontar conclusões e destacou que os especialistas devem se reunir novamente nesta semana, mas a data do encontro ainda não foi divulgada. “É importante destacar que, até agora, não houve o registro de agravamento associado à aparição das lesões cutâneas nos pacientes”, disse ainda na nota a secretaria. Camaragibe Os 62 casos de lesões cutâneas a esclarecer em Camaragibe foram registrados após atendimentos no Hospital Aristeu Chaves, principal emergência do município. A maioria das pessoas que procuraram a unidade, nos últimos 15 dias, mora nos bairros de Ostracil, Aldeia e Tabatinga. A Vigilância em Saúde da cidade informou que está realizando um estudo caso a caso dos pacientes atendidos na unidade e também um para identificação de “possíveis insetos ou artrópodes que estejam causando as intercorrências”. A água da rede de abastecimento nas residências também está sendo coletada para análises. Assim como no Recife, a prefeitura informou que ainda não fechou uma conclusão para possíveis causas e aguarda resultados dos exames para poder fechar a investigação. A prefeitura explicou, ainda, em houve em Aldeia um registro de crianças com um “surto de coceira” em 2019, mas que não há relação com o quadro atual. Na época, o caso ocorreu em uma escola particular que tinha uma sala perto de uma área de mata e o grupo de alunos teve contato com uma planta que acarretou coceira, segundo a comunicação do município. Moradores do Recife reclamam de coceira e lesões na pele Procuradas pelo g1, as prefeitura de Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Abreu e Lima, Itamaracá, Itapissuma, Igarassu e São Lourenço da Mata informaram não ter registrado casos do tipo em moradores. A reportagem também questionou a Secretaria Estadual de Saúde para saber se houve registro em outras cidades e como está sendo a atuação para investigar as causas, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem. VÍDEOS mais assistidos de Pernambuco

FONTE: https://g1.globo.com/pe/pernambuco/noticia/2021/11/22/numero-de-pessoas-com-lesoes-que-causam-coceira-na-pele-sobe-para-105-no-recife-e-62-em-camaragibe.ghtml

Share:

author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *